dimanche 25 décembre 2011

EX-PADRE ANÍBAL PEREIRA DOS REIS

O escriba Valdemir Mota de Menezes já leu vários livros do ex-padre Aníbal Pereira dos Reis e acredita na versão do Aníbal, inclusive na autenticidade das cartas do cardeal Agnelo Rossi que foram bem refutadas pelo ex-padre.




-------
Aníbal Pereira dos Reis
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aníbal Pereira dos Reis
Nascimento 9 de março de 1924
São Joaquim da Barra
Morte 30 de maio de 1991
Nacionalidade Brasil
Ocupação Teólogo

Aníbal Pereira dos Reis (São Joaquim da Barra, 9 de março de 1924 — 30 de maio de 1991) foi padre católico, teólogo e pastor batista. De personalidade polêmica, e devido à sua formação como sacerdote católico e posterior adesão ao protestantismo, tem sido aclamado como herói para evangélicos conservadores[carece de fontes?], herege e apóstata [carece de fontes?] para católicos e radical para evangélicos mais ecumênicos.
Índice
[esconder]

* 1 Biografia
* 2 Polêmicas
* 3 Principais livros escritos
* 4 Referências
* 5 Ligações externas

[editar] Biografia

Aníbal Pereira dos Reis nasceu no interior de São Paulo, filho de Manuel Pereira dos Reis e Emília Basso Reis e foi criado naquela cidade. Foi ordenado em 1949 em Montes Claros, Minas Gerais, após ter feito estudos eclesiásticos na Faculdade Teológica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Em Montes Claros foi professor de literatura e de matemática em um colégio católico e dirigiu obras sociais. Também fundou o jornal A Tribuna do Norte.

Em 1952 foi transferido para o Recife onde prosseguiu com trabalhos sociais e onde também fez um curso de neuro-psiquiatria. Foi também pároco em Guaratinguetá e Orlândia.

Em 1961 começou a duvidar de doutrinas católicas e afastou-se do catolicismo romano. Em 30 de maio de 1965 fez sua profissão de fé em uma Igreja Batista e foi baptizado. Na década de 1970, foi ordenado pastor baptista e saiu como pregador itinerante.

Foi também Membro da Academia Evangélica de Letras, da Associação Brasileira de Cultura e da União Brasileira de Escritores.

Escreveu aproximadamente 40 livros, nos quais criticava principalmente o ecumenismo e o catolicismo.
[editar] Polêmicas

De personalidade resoluta, Reis era um fervoroso crítico de sua antiga religião, chegando a dedicar cerca de 85% de seus escritos a refutar as doutrinas católicas. Não seria surpresa nenhuma que seus escritos e atitudes mais de uma vez, se transformassem em polêmicas.

Um dos episódios mais conhecidos foi a carta do cardeal Agnelo Rossi a Dom Paulo Evaristo Arns, segundo a qual Aníbal era reconhecido pelos seus desafetos como um dos sacerdotes mais cultos do Brasil, e na qual se discute - a mando do próprio Papa - quais seriam as melhores estratégias de silenciá-lo, uma vez que o líder máximo católico estaria apreensivo com a grande repercussão das mensagens de Aníbal contra o ecumenismo. A carta foi publicada no periódico oficial da Convenção Batista Brasileira, O Jornal Batista de 19 de Janeiro de 1972. Em 7 de fevereiro do mesmo ano, o Cardeal Rossi enviou uma carta alegando que a carta sobre Aníbal fora forjada, citando como argumentos que a carta não era escrita a mão, mas datilografada, o nome da Congregação no cabeçalho da folha estava errado, o estilo da assinatura era anterior à sua condição de cardeal e prefeito, o timbre usado na folha era o de Paulo VI e não o da congregação de Rossi e a falta do protocolo, sem o qual, segundo ele, tal carta não poderia ser expedida para São Paulo (embora tenha-se registros de que foi autenticada: "Firma reconhecida no Cartório do 1º Ofício de Notas - São Paulo e autenticada no 25º Cartório de Notas - Tabelião Milani em 15/12/71") eram provas de que a carta fora forjada. Dom Estêvão Bettencourt OSB também escreveu um artigo sobre isso.[1] Reconhecendo a legitimidade do direito de resposta do Cardeal, em 5 de março de 1972, O Jornal Batista o publicou com mesmo destaque dado à matéria original.

Em 19 de março de 1972, O Jornal Batista volta ao assunto, publicando a tréplica de Reis ao direito de resposta de Rossi. Na tréplica, Reis, com seu conhecimento de causa dos trâmites internos da burocracia católica, procurava refutar ponto a ponto os argumentos citados como provas de falsificação. Enfatizava ainda que a carta enviada com o direito de resposta, ela própria não dispunha de protocolo nem estava assinada conforme os cargos de Rossi.[2]

Suas argumentações contrárias ao ecumenismo entre católicos e evangélicos são muito respeitadas entre os batistas e protestantes conservadores, entre os quais seus livros possuem grande aceitação.

Por outro lado, este posicionamento lhe valeu também a nomeação de radical por alguns setores ecumênicos do protestantismo. Um episódio que ilustra isso foi quando estava comprando livros em São Paulo e foi chamado de "radical". No periódico Jornal Presbiteriano Bíblico Fundamentalista de Maio de 1985, pg. 7, Aníbal Reis defende-se:

Radical, que é um vocábulo relacionado com a raiz, quer dizer fundamental, e secundariamente significa inflexível. Neste último sentido é hoje de uso mais amplo no linguajar cotidiano. Radical ou inflexível é a pessoa que não cede ou não é maleável. Nesta acepção é muitas vezes o termo tomado de um sentido acentuadamente pejorativo ou depreciativo. Os acomodados, os quebra-luzes, os quarto-minguantes, os basbaques, os aproveitadores picham as pessoas sérias com o apodo: É radical.[3]

[editar] Principais livros escritos

* Este padre escapou das garras do Papa (autobiografia)
* A Senhora Aparecida [1]
* A Senhora de Fátima - Outro Conto do Vigário [2]
* Os cursilhos da Cristandade por dentro
* Serão boas todas as religiões?
* Pedro nunca foi Papa
* Milagres e curas divinas
* Torturas e torturados
* O número 666 de Apocalipse 13:18
* O sinal da Besta

PADRE ANCHIETA ERA ASSASSINO

O Escriba Valdemir Mota de Menezes divulga o fato do "santo" católico do Brasil, padre Anchieta ter sido um assassino, que matou um cristão usado pelo Espírito Santo. Hoje vários monumentos no nosso país tem o nome deste carrasco, filho do Diabo.
http://www.edicoescristas.com.br/produto.php?vitrine=322
----------------------------------

Título
O Santo que Anchieta Matou

» Autor
Aníbal Pereira dos Reis

» Descrição

Este livro fala da importância de um homem nos primórdios da colonização do Brasil. Não se trata de Anchieta, mas de Jean Bollés, alguém que foi perseguido e martirizado pelo jesuíta pelo simples fato de manter-se fiel à Palavra de Deus e ao nosso Senhor Jesus Cristo. Precisamos ser despertados quanto aos "heróis" que aprendemos a conhecer e admirar em nossas aulas de história quando crianças.


------------------------------------




















































































--------------------------------------------

mercredi 2 novembre 2011

MULHER E O DRAGÃO

O escriba Valdemir Mota de Menezes ministra um estudo sobre o capítulo doze do Apocalipse e mostra que a mulher na simbologia bíblica é a nação de Israel e não Maria, mãe do corpo físico de Jesus. (audio em português) 1

  video

2 video 3 video 4 video 5 video

mercredi 19 octobre 2011

SOCIETY OF JESUS OF IGNATIUS OF LOYOLA







Ignatius of Loyola in Paris, in 1534, catechetical purposes, propagation of religious faith and the educational work, createsthe Society of Jesus, which spread to Europe and America.

Brazil, a country still operating by the Portuguese and in need ofreligious ideologies, the right target was the Jesuits who couldevangelize and establish the Catholic doctrine among the Indians, natives and children of Portuguese who ventured in these lands.























The institutionalized education propagated by the Jesuits, and sat in the Brazilian territory with great ease, as it tuned with the idea of ​​colonization and commercial society employed by the Portuguese.


The Jesuits maintained and reproduced the view that thePortuguese settler aimed at the production and exploitation for marketing purposes. (Scribe Valdemir Mota de Menezes)